Ir para conteúdo 1 Ir para menu 2 Ir para busca 3 Ir para rodapé 4 Acessibilidade 5 Alto contraste 6

---

  • ?
  • ?

---

  • ?
  • ?

SAUDE
ESTADO PLANEJA VACINAR TODA A POPULAÇÃO ACIMA DE 18 ANOS ATÉ 31 DE AGOSTO

Publicado em 02/07/2021 às 09:43 - Atualizado em 02/07/2021 às 09:43

A CIB (Comissão Intergestores Bipartite), que reúne gestores da SES (Secretaria de Estado da Saúde) e do Cosems/SC (Conselho de Secretarias Municipais de Saúde de SC), aprovou nesta quinta-feira, dia 1º de julho, um calendário para orientar as prefeituras quanto ao andamento da vacinação contra a Covid-19 por faixa etária.
 
O objetivo é que os municípios caminhem juntos na imunização e não tenham grandes disparidades no atendimento por idade. A proposta antecipa a previsão de doses divulgada no início de junho.
 
Um dos problemas é o quantitativo de cada cidade. Há municípios que têm mais jovens, outros mais grupos prioritários, o que resultou na falta de igualdade entre as vacinações: enquanto algumas prefeituras ainda atendem pessoas acima de 50 anos, outros já estão imunizando população de 44 anos, por exemplo. Há o temor de que desnivelamento gere corrida por vacinas para municípios mais adiantados.
 
A proposta aprovada prevê um calendário de atendimento de cada uma das faixas etárias e obriga que as prefeituras tenham, pelo menos, 75% de cobertura da faixa etária antes de avançarem para a próxima. O envio de doses será calculado para que as cidades atendam as mesmas faixas etárias ao mesmo tempo.
 
Calendário*
 
1º de julho a 8 de julho - acima de 40 anos (cerca de 1 milhão de pessoas em SC)
9 de julho a 22 de julho - entre 35 e 39 anos (600 mil pessoas)
23 de julho a 5 de agosto - entre 30 e 34 anos (614 mil pessoas)
6 de agosto a 19 de agosto - entre 25 e 29 anos (595 mil pessoas)
20 de agosto a 31 de agosto - entre 18 e 24 anos (557 mil pessoas)
 
*O calendário é um esboço para evitar que municípios iniciem uma faixa etária antes dos outros. Na prática, a CIB vai avaliar se o recebimento de doses pelo governo federal será compatível com o calendário, ou seja, ele poderá mudar a partir de reuniões futuras. O objetivo é de que as datas sejam um parâmetro para autorizar, e não necessariamente iniciar, a vacinação.